Catálogos virtuais de pintura – I – Barroco

05/06/2009 at 7:52 pm (Arte, listas, O que todo mundo deveria saber)

Ontem eu estava horrível… não sei se por causa da entrevista ou por causa da gripe (ou ambas), mas o fato é que à noite não se aproveitava metade das coisas que eu falava. Só chupei bala… kkkkkkk

 Por isso hoje só vou falar de alguns sites sobre pintores achados na internet, já que o assunto está escasso:

title

Web Gallery of Art

Esse site é excelente, tem obras em alta resolução de centenas de artistas, na maioria dos casos as obras completas.  São pinturas européias do século XII ao século XIX, e você procura o artista por ordem alfabética.  Excelente.

summer
 Giuseppe Arcimboldo (maneirista, período pré-barroco)

Este site contém a vida e a obra de Giuseppe Arcimboldo, artista do período que ficou conhecido como maneirismo. É muito legal, ele fazia composições de frutas, verduras e objetos diversos que agrupados formavam rostos. Vale muito a pena ver esse trabalho, muito criativo.

200px-Bild-Ottavio_Leoni%2C_Caravaggio

Caravaggio (barroco italiano)

O maior ícone do barroco italiano pode ser visto neste site. Tem tudo: biografia, obras completas e muitos artigos e curiosidades sobre Caravaggio. Pena que está em inglês, mas dá pra ver as pinturas e em todo caso, a biografia em português sempre pode ser consultada na Wikipédia. Quanto aos artigos, o google tradutor quebra o galho.

Self-Portrait-small

Rubens (barroco holandês)

Site sobre o pintor Peter Paul Rubens, que exerceu grande influência sobre as gerações posteriores. Os rubenistas, como eram chamados, seguiam uma linha de pintura que primava pela cor e pelos efeitos visuais e sensoriais. Em Inglês, com biografia e obras completas.

Self-Portrait-1649-small

Nicolas Poussin (barroco classicista francês)

Este site fala sobre o pintor fancês Nicolas Poussin, que também influenciou as gerações posteriores. Seus seguidores eram chamados poussinistas e eram “rivais” dos rubenistas, pois primavam o desenho, a construção “racional” da imagem, ao invés das sensações. Uma briga bem interessante que vale a pena estudar. Também em inglês, com biografia e obras completas.

slf_prtrt_1640mini

Rembrandt van Rijin: life and works (barroco holandês)

Site muito bom sobre este que talvez seja o maior pintor holandês de todos os tempos. Em inglês, traz biografia, obras completas e informações sobre publicações a respeito do pintor.

vermeer-sign

Essential Vermeer (barroco holandês)

Esse site é muito legal. Traz muitas informações, biografia e estudos sobre Johannes Vermeer, além das obras completas. Traz ainda sites de referencia sobre a vida e a obra do artista.

Self-Portrait-small1
Claude Lorrain (barroco francês) 

 Site sobre a vida e obra do pintor de paisagens francês Claude Lorrain, tambám chamado “Le Lorrain”. Em inglês, contém biografia e obras completas.

portrait

François Boucher (Barroco/ rococó)

Um dos principais nomes do rococó, que alguns teóricos definem como um estilo à parte e outros como uma vertente do barroco. Também em inglês, com biografia e obras completas.

Há ainda outros pintores muito importantes no período, como Annibale Carracci, Jean-Honoré Fragonard e Antoime Watteau, entre outros. Todos podem ser encontrados na Web Gallery of Art (obras completas) e na Wikipédia (biografias em português).

Vem aí a Festa Junina da C&R!

untitled

A idéia ainda está na fase embrionária, mas vai sair! Aguardem!

Ouvindo: Namie Amoro – Full Moon

Link permanente Deixe um comentário

Literatura século XIX

01/06/2009 at 6:24 pm (listas, livros)

Háá! A produção intelectual está a todo vapor!

Há alguns meses venho consumindo vorazmente romances clássicos do século XIX, que às vezes eu considero mais vanguarda que muita coisa patética que tem por aí hoje.

anna karenina

Comecei com “Anna Karênina”, de Leon Tolstói,  que é um romance enorme com várias tramas de amor paralelas, e que retratam a busca pelo “algo mais” da vida. Uma citação:

“Todas as famílias felizes são iguais. As infelizes o são cada uma à sua maneira.”

a menina dos olhos

Depois li um pequeno conto de La Comedie Humaine, de Balzac, intitulado “A menina dos olhos de ouro”.  É um pequeno trecho desta obra-prima do realismo, composta de 88 contos interligados. Fico pensando como os playboys daquela época, os dândis, eram muito mais interessantes que os de hoje. Pelo menos eram playboys por convicção, tinham um fundo filosófico… Um luxo em vista dos nossos dias, em que a filosofia está praticamente morta e (bem) enterrada no banheiro de algum baile funk.

o vermelho e o negro

Passei então para outro clásico da literatura realista: “O vermelho e o negro”, de Sthendal. A capa era linda, ilustrada com o auto-retrato de Dominique Ingres aos 24 anos (que você vê no último post em alta resolução) que, aliás, bate perfeitamente com a descrição física de Julien Sorel, o personagem principal. Julien é interesseiro, dissimulado, ganancioso,  inteligentíssimo e lindo. Mostra o lado mais magnífico e, ao mesmo tempo, mais sujo do ser humano: a capacidade de modificar a própria realidade de acordo com os interesses pessoais. A gente se sente mal por ver nele um espelho, mas no fim acaba gostando porque, afinal, é melhor ter a coragem de viver intensamente que ser um medíocre hipócrita que só consegue ter inveja dos outros medíocres mais abastados. Um romance psicológico magistral.

3447_o_retrato_de_dorian_gray__landmark

Por fim, após dar um tempo para me dedicar um pouco às leituras de história da arte, estou lendo um novo livro da cultura dândi: “O Retrato de Dorian Gray”, de Oscar Wilde. Uma curiosidade é que o Auto-retrato aos 24 anos de Ingres também ilustrou uma edição desta obra (ele é sempre usado para ilustrar personagens bonitos, mais adequado neste caso que o retrato do autor que sempre é usado). Ainda é muito cedo para tecer comentários sobre o livro, mas a julgar pelas tiradas excelentes dos primeiros capítulos, tudo indica que será uma ótima leitura. Algumas boas:

“…só há uma coisa no mundo pior do que falarem de nós: é que de nós ninguém fale”. (Clássica)

“O intelecto é em si uma forma de exagero e destrói a harmonia de qualquer rosto”. (Tá aí uma coisa que eu faço de tudo para conciliar, mas devo admitir que a frase está absolutamente correta.)

“A Beleza é uma forma de gênio, sendo mesmo superior ao gênio, pois não necessita de ser explicada”.

“Consigo suportar a força bruta, mas a sensatez bruta é absolutamente intolerável”.

“As coisas sagradas são as únicas em que vale a pena tocar”…

Gostou? Para baixar o e-book “O retrato de Dorian Gray” clique aqui.

Acho que já decidi o tema do meu trabalho de história da arte desse semestre.

Ouvindo: Franz Ferdinand – Jacqueline

Link permanente 3 Comentários

Meandros da Arte

29/05/2009 at 6:56 pm (Arte)

Pois é… Quando alguém poderia imaginar que eu gostaria tanto das aulas de história da arte? Na época em que eu fazia Desenho Industrial, não dava a mínima, talvez pelo ambiente de estudo (a turma tinha um monte de playboys) ou pelo fato de os professores serem chatérrimos.  Mas o fato é que hoje eu acho muito interessante observar as modificações pelas quais a arte (e o próprio conceito de arte) passou até os nossos dias.

Atualmente eu estou completely in love com a pintura de paisagens e com a obra do Ingres. Abaixo podemos ver algumas obras que estão, a maioria, em alta resolução. É só clicar em cima para ver em tamanho maior.

Paisagem

Paisagem de Jacob van Ruisdael

Paisagem de Jacob van Ruisdael

Ships in Distress in a Heavy Storm - Ludolf Bakhuysen

Ships in Distress in a Heavy Storm - Ludolf Bakhuysen

Paisagem de Claude Lorrain

Paisagem de Claude Lorrain

Veneza retratada por Canaletto

Veneza retratada por Canaletto

Hoje com a TV, a fotografia, os Outdoors e tantos outros veículos visuais, podemos dizer que estamos totalmente acostumados a ver o mundo enquadrado numa superfície plana. Agora imagine quão maravilhadas ficaram as pessoas ao ver pela primeira vez as lindas paisagens portuárias em recortes sobre uma tela.  “Nossa!!! Como vc conseguiu colocar o mar tão grande aí????” Devia ser um exercício muito difícil, o enquadramento.

Jean Auguste Dominique Ingres

Ingres - Auto-retrato aos 24 anos

Ingres - Auto-retrato aos 24 anos

Já o famoso (e lindo) Jean Auguste Dominique Ingres considerava-se um neoclássico (se é que se pode dizer assim). Era admirador dos grandes mestres, como Rafael, e foi discípulo de Jacques Louis David, o neoclássico-mor, seguindo a linha de Poussin,  do barroco classicista francês. Como bom poussinista, priorizava o desenho ao invés da cor (valorizada pelos seguidores de Rubens, os rubenistas) mas, numa tendência já pendendo para o romantismo, destacava partes do desenho que queria valorizar, colocando aí traços subjetivos na pintura.

Ingres - A grande odalisca

Ingres - A grande odalisca

Ingres - Estudo de nu

Ingres - Estudo de nu

 

Ingres - Antonia D. de Nittis

Ingres - Antonia D. de Nittis

 

Ingres - Apoteose de Homero

Ingres - Apoteose de Homero

Ingres - A grande Banhista

Ingres - A grande Banhista

Ingres - um de seus retratos de Napoleão

Ingres - um de seus retratos de Napoleão

Para quem quiser saber mais sobre este grande pintor, há várias opções de biografias na internet, como a Wikipédia (em português) e um site inteiramente dedicado a ele, com as obras completas: Jean Auguste Dominique Ingres (em Inglês).

Ouvindo: Edit Piaf – La vie en rose

Link permanente 1 Comentário

Dia das mães

11/05/2009 at 4:45 pm (Uncategorized)

Olá, amigos leitores!

Esses dias vou dar uma paradinha neste blog porque estou tentando colocar no ar o Blog da Conservação e Restauro. Vai ter muito conteúdo, por isso devo ficar fora do ar cerca de uma semana.

mens_maes

Por hora, Parabéns a todas as mamães!!! Principalmente pra minha, que é tão linda. Para homenageá-las vou colocar aqui a letra de uma musiquinha que a gente cantava na escola, especial para o dia das mães:

Flor Mamãe

Júlio Louzada – Jorge Gonçalves

Andei por todos os jardins
Procurando uma flor pra te ofertar
Em lugar algum eu encontrei
A flor… perfeita pra te dar

Ninguem sabia onde estava
Essa flor mimosa perfeição
Ela se chama flor mamãe
E só nasce no jardim do coração

Enfeita, nossos sonhos
Perfuma, nossa ilusão
Flor divina, que eu suponho
Faz milagres em oração

Nesse dia, de carinho
Quero sentir lá no peito
Inebriando minha alma
Flor mamãe, amor perfeito

ROSAS_CLARAS

 

Ouvindo: Florent Pagny – Les perfums de sa vie

Link permanente 1 Comentário

Miss Brasil 2009 e Museu de design

08/05/2009 at 3:19 pm (Design, idéias de Girico, Moda e beleza)

Hoje o post é duplo!!!

Miss Ceará

Miss Ceará

Gente… Tô passada com o Miss Brasil 2009. Concurso de miss é sinônimo de futilidade, eu sei, mas já que o cara se propõe a fazer, que organize direito! Saiu uma galeria com as fotos das candidatas e eu fiquei com uma séria dúvida: De quem é a culpa? O maquiador é péssimo, o fotógrafo é péssimo ou elas é que são horrorosas? Passam um reboco tão pesado na cara das meninas que elas ficam mais pra balzaquianas que pra meninas lindas de 20 anos. O caso da miss Ceará (foto acima), por exemplo: a menina é absurdamente linda, mas ficou horrível com aquela maquiagem tão pesada. Agora, umas são feias mesmo: a miss Rio de Janeiro e a do Distrito Federal tem um carão de funkeiras que é o Ó. Pelo menos se não ganharem o concurso podem virar mulheres-fruta! hehehe. As minhas preferidas ainda são a miss Goiás e a miss Pará. Clique aqui e confira as fotos oficiais.

Agora vamos falar do que é consagradamente belo. Ontem visitei o site do Vitra Design Museum de Berlim. Pra quem não sabe, a diferença básica entre o design e a arte decorativa é que o designer tem uma preocupação mais aguçada em conjugar da melhor maneira o trio forma/função/fabricação, uma vez que tem que adequar o projeto à produção industrial seriada. Este museu têm uma seleção de cadeiras (especialmente) e outros objetos que compreende o período do século 19 até os dias atuais, tudo assinado pelos maiores nomes do design mundial. Tem móveis de Eero Saarinen, Verner Phanton, Vasili Kandinski, entre outros figurões. Abaixo você vê uma seleção de cadeiras-ícone e alguns outros objetos que podem ser vistos no museu:

Art 41 Paimio, Ball, Bocca, Chaise de Le Corbusier, La mamma, Phanton, Tulip Saarinen, Wiggle Side

Art 41 Paimio, Ball, Bocca, Chaise de Le Corbusier, La mamma, Phanton, Tulip Saarinen, Wiggle Side

E o melhor de tudo é que o museu tem um laboratório de conservação e pesquisa em restauração de materiais modernos, sobretudo plásticos. Ainda bem que já estou estudando alemão! hehehe. Para saber mais sobre este laboratório clique aqui.

Gostou? Então comente!!!

Curiosidade do Dia

Você sabe como se definem as datas do Carnaval, Páscoa e Corpus Christi? São definidas a partir da data da Páscoa. Pode conferir na folhinha: o primeiro domingo após a primeira lua cheia do outono será o Domingo de Páscoa. O carnaval acontece 47 dias antes e o Corpus Christi 60 dias depois.

Ouvindo: Pearl Jam – Jeremy

Link permanente Deixe um comentário

Sou Nerd mas tô na moda!

06/05/2009 at 6:05 pm (idéias de Girico, Por aí)

Há! Parafraseando a Tati-quebra-barraco, é que eu digo: Sou nerd mas tô na moda! hahahahaha

Homem-codorna, "quebrando a banca" e Hiro

Homem-codorna, "quebrando a banca" e Hiro

Desde que Bill Gates e companhia ficaram milionários por conta de suas idéias geniais, a sociedade vem sendo mais amigável com os nerds (C.D.F. pra quem não sabe). Ser CDF hoje não só é politicamente correto como causa admiração e até popularidade. Já tem heróis nerds (vide Homem-Codorna e o Hiro do seriado Heroes, um herói-programador de computadores), Filmes de nerds (“Quebrando a Banca“, ou “21” no original em inglês) e, finalmente, os nerds estão na moda! Quem imaginaria o Justin Timberlake vestido assim:

Justin Timberlake e Jessica Biel

Justin Timberlake e Jessica Biel

Essa foto é do baile “Costume Institute Gala” do Metropolitan Museum of Art de Nova Yorque, o evento de gala mais aguardado pelas celebridades. Te mete!!!!!!

O site Descolex fez até um editorial de moda intitulado “The Nerd Side of the Moon”. Saca só:

editorial-descolex-nerds4

Curiosidade do dia

O Partido Pirata Sueco já é o terceiro maior do país em número de adesões. Consta que sua luta é pela liberdade de compartilhar livremente arquivos via internet (são piratas internautas), ou seja, baixar filmes, músicas, etc. E seu objetivo é eleger um deputado que representará seus interesses. Há!!! Pelo vissto vão conseguir, né? Eles já inspiraram os partidos Espanhol, Americano, Alemão, Belga e Francês, para que ninguém pense que só os suecos são loucos.

pirats_partido4
Notícia retirada do site Nerds Somos Nozes.

Ouvindo: Alphabeat – Rubberboots

Link permanente Deixe um comentário

10 Coisas Sobre Mim

05/05/2009 at 4:53 pm (idéias de Girico, listas)

Resolvi aderir à brincadeira do Facebook e escrever coisas aleatórias a meu respeito. Na brincadeira original eram 25, mas não estou a fim de fazer uma exposição tão grande da minha figura…

Finlândia no inverno e no verão

Finlândia no inverno e no verão

1. Quando eu era pequena queria ser miss/cientista e casar com o Jiraya. Isso antes de virar feminista convicta e depois deixar de ser.

2. Em ordem de preferência: Metal melódico/power metal, música clássica, J-pop, música eletrônica, rock anos 70/80 e pop-rock sueco. Paciência.

3. Sou funcionária pública e trabalho muito, mas sem nenhuma convicção.

4. Sou viciada em internet, Senhor dos Anéis e sopa.

5. Seria vegetariana, se não gostasse tanto de peixe, peito de frango, filé mignon e embutidos.

6. Já passei 15 dias em Brasília à base de pastel e canja da rodoviária. Ai, deu água na boca agora.

7. Ainda quero ser cientista. (ou melhor, acadêmica, que é pra não pegar mal.)

8. Estou perdida em algum extremo do radicalismo entre o socialismo e o anarquismo.

9. Sonho em conhecer a Finlândia, a terra dos mil lagos (Suomia para os entendidos).

10. Não consigo aceitar essa história de economizar água. Ela nasce e vai pro rio de qualquer jeito. O problema do planeta são cidades como São Paulo.

Ps–> Preciso exorcisar essa pessoa baranga que se apoderou do meu corpo e está me impedindo de ir ao salão.

Novo: Curiosidade do dia

Quando alguns noruegueses anarquistas invadiram a Islândia, no século IX, havia tantos homicídios que tiveram que discutir leis que previam , inclusive, enquadramento especial caso o assassino tivesse menos de 8 anos. Hoje, o número caiu tanto que houve menos de 10 homicídios nos últimos 100 anos, e ainda se comenta um ou outro assassinato ocorrido no século 19. E pensar que em Pelotas a gente nem acabou o 1º semestre e já temos 27 mortos.

Ouvindo: Namie Amuro – Hide and Seek

Link permanente Deixe um comentário

Especial Gastronomia Brasileira I

04/05/2009 at 4:34 pm (Gastronomia, listas, Por aí)

Após um breve hiato… Ói nóis aqui travez!!!

Como são 11:00h da manhã e está vindo um cheirinho delicioso de feijão temperadim do restaurante aqui ao lado, resolvi falar de comida. Nas minhas andanças por esse Brasil, uma das mais felizes descobertas foi perceber que além dos lugares lindos e dos costumes tão peculiares, a culinária é riquíssima e deliciosa! Não existe estado que não tenha a sua receitinha especial, feita com ingredientes locais.  Vale dixar todos os preconceitos de lado e se jogar, ainda que você torça o naiz para quiabo, milho, feijão. Afinal de contas, o jeito de preparar pode valorizar tanto a comida que vai acabar te agradando. Então, pé na estrada e garfo na mão!!!!

Maranhão

Aqui você já encontra as coisinhas típicas da região amazônica. É um excelente lugar para provar a farinha de mandioca amarela (se vc tiver dentes de aço!), açaí, cupuaçu, etc, etc, etc. Foi lá que eu provei o famoso guaraná da amazônia, uma bebida que leva leite, amendoim, ovo de pata, guaraná e outros ingredientes, e que tem O Poder! Levanta até defunto! Mas a melhor coisa que eu comi foi o Arroz de Cuxá. É feito com vinagreira, uma verdura azedinha que tem por aquelas bandas. Aqui no sul não tenho esperanças de achar isso pra vender, mas em todo caso, aqui vai a receitinha:

Arroz de cuxá

Arroz de cuxá

Ingredientes:
Vinagreira (erva verde meio amarga)
1 tomate picado
1 cebola picada
1 pimentão picado
pimenta de cheiro a gosto
gergelim a gosto
150g de camarão seco
1/2 Kg de arroz cozido
azeite

1.Coloque a vinagreira pra cozinhar até murchar, retire do fogo e escorra, dê umas batidas nela com a outra face da faca..

2. Refogue todos os temperos em azeite, coloque o camarão seco, um pouco do gergelim e a vinagreira, mexendo sempre para incorporar ao refogado.

3. Depois vá acrescentando o arroz já cozido, não esquecendo de que tem que ficar bem verdinho, por conta da vinagreira. Por fim e só degustar esse típico arroz maranhense.

Pernambuco

A culinária pernambucana é um caso à parte. Provavelmente é diferente de tudo o que vc já viu (a menos que vc seja pernambucano, claro). As frutas da região rendem ótimos sucos e sorvetes, entre elas a acerola, pitanga, cajá, umbu, siriguela (agora sem o trema!), caju, maracujá, etc. São muitos os pratos à base de feijão de corda, milho, leite de coco e frutos do mar. O meu escolhido para este especial é o caldinho de sururu, que é um fruto do mar parecido com a ostra e o vôngole. Recife é a cidade dos caldinhos, que vêm em cumbuquinhas e são tomados com cachaça. Abaixo você confere essa receita dos deuses:

Caldinho de sururu

Caldinho de sururu

Ingredientes:

2 cebolas picadas
1 colher (sopa) de óleo de canola
1/2 xícara (chá) de cachaça
1 folha de louro
2 cravos-da-índia
3 folhas de salsinha
2 folhas de coentro
3 dentes de alho picados
3 xícaras (chá) de água
300 g de sururu
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 talo de salsão pequeno picado
2 tomates pelados e picados
1 pimenta-malagueta picada
2 colheres (sopa) de salsinha picada
1 colher (sopa) de coentro picado
200 ml /1 vidro de leite de coco
1 colher (chá) de azeite de dendê
sal a gosto

1. Separe e pique todos os ingredientes pedidos na receita.
2. Numa frigideira grande, leve o óleo de canola ao fogo baixo para aquecer. Quando estiver quente, junte 1 cebola picada e refogue, mexendo sempre, por 3 minutos ou até a cebola ficar transparente.
3. Junte a cachaça, o cravo, a folha de louro, as folhas de salsinha, as folhas de coentro, 1 dente de alho picado e a água.
4. Quando ferver, acrescente o sururu e deixe cozinhar por mais 5 minutos. Retire o sururu do líquido com uma escumadeira. Reserve.
5. Em fogo baixo, deixe o caldo reduzir por 20 minutos. Retire do fogo e reserve.
6. Com uma faca, faça um corte em X na base de cada tomate. Coloque os tomates numa panela com água fervendo por alguns segundos. Prepare outra tigela com água e gelo. Retire os tomates da panela e mergulhe-os na tigela. Pelo X, puxe a pele como se fossem quatro folhas. O choque térmico faz com que a pele se desprenda facilmente.
7. Corte os tomates ao meio, horizontalmente. Com o dedo indicador, retire as sementes e o suco que as envolve. Não enxágüe os tomates, pois a água leva parte do sabor embora. Pique-os em cubinhos. Reserve.
8. Numa frigideira grande, leve o azeite de oliva ao fogo baixo para aquecer. Quando estiver quente, junte o restante da cebola picada e refogue por 3 minutos, mexendo sempre. Acrescente o alho restante e refogue por mais 1 minuto.
9. Junte o salsão, o tomate picado, a pimenta malagueta e refogue por 10 minutos em fogo baixo, mexendo sempre.
10. Acrescente o caldo do cozimento do sururu ao refogado de tomates. Misture bem.
11. Junte a carne de sururu, a salsinha picada, o coentro picado, o leite de coco e o azeite de dendê ao caldo e misture.
12. Deixe aquecer, ajuste os temperos e sirva a seguir.

Receita retirada do site Panelinha.

Goiás

Gente, sem brincadeira: eu devo ter engordado uns três quilos na semana que passei em goiânia. Pra quem gosta de confort food, não existe lugar melhor. Tudo tem cara de caseiro, de fogão à lenha, de comida da vovó. As frutas do cerrado são deliciosas e perfeitas para os sorvetes. Tem buriti, caju-do-campo, cagaita, baru, jatobá, mangaba, gabiroba e o famoso pequi. Os pratos são uma delícia, espia só: Arrroz com pequi, quariroba, empadão, pamonha, galinhada, etc. Tudo isso pode ser provado nas imensas feiras de goiânia e até nos restaurantes mais simples da região. A pamonha goiana é uma loucura, e pode ter vários recheios diferentes, tanto doces quanto salgados. Para que se aventurar, vai aí a receita:

Pamonha goiana de queijo

Pamonha goiana de queijo

Ingredientes:

6 espigas de milho de tamanho médio
palha do milho para enrolar e amarrar as extremidades
1/2 litro de óleo quente
1/2 xícara de pimenta verde amassada
1 xícara de cebolinha verde
1 colher de sal
1 queijo tipo frescal

1. Depois de ralar o milho, passe a massa em uma peneira. Ela fica mais fina.
2. Escalde a massa com óleo quente, a massa não pode ficar gordurosa.
4. Acrescente a pimenta e a cebolinha verde e misture.
5. Adicione o sal.
6. Depois de colocar a massa nos copinhos formados com a palha (dobre formando um envelope) é hora de pôr o recheio.
7. O queijo é cortado em pedaços pequenos, pra não vazar.
8. Feche e amarre as pamonhas como se fossem trouxinhas e leve-as ao fogo, na água já fervente.
9. Cozinhe por 40 minutos, em fogo alto.

Ps–> o queijo pode ser substituído por linguiça (ai que horror essa falta de trema…), frango, palmito, etc, etc, etc.

Espírito Santo

Se tem um lugar bom pra comer peixe, esse é o litoral do Espírito Santo. Nos quiosques das praias tem peixe de tudo que é jeito, recheado, ensopado, frito, enfim. Além do peixe tem caranguejo, pirão, muitas receitas com banana-da-terra e frutas deliciosas para provar, como o cajá-manga e a fruta-do-conde. Uma das delícias típicas desta culinária é a moqueca capixaba. A receita abaixo foi retirada do site Tudo Gostoso:

moqueca capixaba

moqueca capixaba

Ingredientes:
1 kg de peixe (badejo, dentão, robalo, papaterra, dourado, namorado ou xerne)
1 maço de coentro
1 maço de cebolinha verde
1 cebola média
3 dentes de alho
4 tomates
Pimenta malagueta
Azeite de oliva
Urucum
Óleo de soja

1. Escame bem o peixe, tire as vísceras e corte-o em postas de 5 cm de largura
2. Lave bem com limão e deixe descansando em um prato com água de sal fraca
3. Soque o alho, três rodelas de cebola, um maço de coentro picado, um maço de cebolinha verde e sal
4. Esfregue no fundo da panela de barro um pouco de óleo de soja (duas colheres) e azeite de oliva (uma colher)
5. Adicione à panela a massa obtida no socador, passando-a no seu fundo
6. Retire as postas de peixe do prato com água e sal
7. Vire as postas de um lado para o outro nos temperos da panela
8. Arrume-as de modo que não fiquem umas por cima das outras
9. Corte o resto do coentro, da cebolinha verde, do tomate e da cebola e coloque nesta ordem por cima das postas de peixe que estão na panela
10. Regue com um pouco de azeite e suco de limão
11. Deixe tudo descansando por 20 a 60 minutos
12. Derreta em um pouco de óleo três colheres de urucum
13. Na hora de levar ao fogo para cozinhar, despeje um pouco deste caldo por cima da moqueca
14. Quando começar a abrir fervura, verifique o sal
15. Não ponha água, não vire as postas e cozinhe com a panela aberta
16. Vá verificando o paladar do sal e do limão
17. Deixe no fogo forte por 20 a 25 minutos
18. Balance de vez em quando a panela com o auxílio de um pedaço de pano grosso, para que as postas de peixe não agarrem no fundo

Vai bem com arroz branco, um belo pirão (feito com farinha e a carne da abeça do peixe usado na moqueca bem cozida com cebola e tomate) e um belo molho de pimenta.

Gostou? Então espere que em breve vem a Parte II!

Kissu!

Ouvindo: Dimitri from Paris – Sacre Français

Link permanente 3 Comentários

Vida de mulher

07/04/2009 at 12:04 am (Uncategorized)

Imagine você, leitor do sexo masculino, se tivesse que: acordar cedo para preparar o desjejum, ter que se maquiar antes de sair, trabalhar o dia todo sendo, geralmente, aquele que realmente bota a mão (e a cabeça) na massa, ganhar uma mixaria, gastar o vale alimentação em compras pra casa ao invés do restaurante, sair do serviço às 06:00h, ir para a academia, tomar banho por lá, ir pra faculdade, jantar por lá no intervalo; cuidar da beleza, da saúde, do cabelo, do cachorro, da cultura; manter a leitura em dia, mas também os amigos, a diversão, a paz espiritual, a atenção para o namorado; ser engajado em causas ambientais, sociais, sindicais, estudantis, ter um hobby, dormir 08 horas por dia, beber dois litros d’água e, depois de tudo isso, ainda ter que ser meiga e simpática? E isso quando não se tem filhos.

Não à toa, as mulheres têm sido inspiração para muitos artistas ao longo dos séculos. São as musas da arte. O vídeo abaixo apresenta uma coletânea de obras inspiradas nessas musas, presentes em todos os estilos ao longo da história. Presente da minha amiga Isabel para o blog! obrigada, linda!

500 anos de mulheres na arte

Ah, e eu estou muito feliz! Nosso amigo Sadol abriu um pub super exclusivo e eu estou desenhando umas coisinhas para colocar lá, onde ele expõe trabalhos dos amigos… Assim que sair do papel eu coloco aqui.

Por hora é só. Kissu!

Ouvindo: Oasis – Champagne Supernova

Link permanente 1 Comentário

Heróis da minha infância – Parte II

27/03/2009 at 9:31 pm (idéias de Girico, listas, Uncategorized)

Há! Finalmente a parte II com a ala masculina!

Ninja jiraya

Pra começar temos a grande paixão da minha infância: Jiraya – O Incrível Ninja!!!! 

Sekai Ninja sen jiraya

Sekai Ninja sen jiraya

Gente, é sério, eu devia ter uns 5 anos quando passava na extinta TV Manchete, no programa da Angélica, e se algém me perguntasse eu dizia: “quando eu crescer vou casar com o Jiraya!!!” Claro que esta hipótese atualmente está fora de cogitação porque agora ele é um coroa acabadim, mas sabe que naquela época ele era mesmo um japa gatinho? Até que eu tinha bom gosto, né? Bem diferente do seu contemporâneo Jaspion, o japa black-power! Fiz o meu pai fazer uma espada olímpica pra mim (de madeira) e ficava pra cima e pra baixo imitando a Reiha!!!!!KKKKKKKKKKKKKKK

 toha22toha1

Sekai Ninja Sen jiraya significa Jiraya – A Guerra do Mundo Ninja em japonês.

Para saber mais sobre o seriado clique no artigo da Wikipédia,aqui.

Pra quem quiser lembrar as musiquinhas, abaixo a trilha sonora:

Trilha sonora
Trilha sonora
Tracklist :

01 Ninja Jiraya (versão e adapt.C.R.Ferreira)
02 Espada Olímpica (versão e adapt.C.R.Ferreira)
03 Veio prá Ficar (versão e adapt.C.R.Ferreira)
04 Agora é Hora (versão e adapt.C.R.Ferreira)
05 Ninja Jiraya (instrumental) (versão e adapt.C.R.Ferreira)
06 Ninja Jiraya (original em Japonês)
07 Energia e Sabedoria (versão e adapt.C.R.Ferreira)
08 Nossa Esperança (versão e adapt.C.R.Ferreira)
09 Viva a Paz, Viva o Amor (versão e adapt.C.R.Ferreira)
10 Ensinamentos Ninja (versão e adapt.C.R.Ferreira)
11 Energia e Sabedoria (instrumental) (versão e adapt.C.R.Ferreira)
12 Energia e Sabedoria (original em Japonês)

Download


Asterix, o Gaulês

Toda semana minha mãe trazia os livrinhos do asterix  lá da biblioteca, e lendo esses quadrinhos eu aprendi muito sobre o “clima” da época romana. Não que a história seja verídica, mas a pesquisa histórica sobre o sistema do império, os povos e costumes é muito boa. E hilária. O Asterix até que era legal, mas o meu personagem favorito era o Obelix (que ficou perfeito na pele do Gérard Depardieu), um escultor de menires, além do druida Panoramix e é claro do cachorrinho do asterix, o Idéiafix, que era o melhor! Um dia eu ainda compro a coleção!

 asterixobelix1

Asterix era um guerreiro baixinho de uma aldeia gaulesa que resistia bravamente à dominação romana graças às poções mágicas do druida Panoramix, que conferiam uma incrível força. Ele e seu amigo Obelix colecionavam os capacetes dos soldados romanos que abatiam, causando a fúria de César! Para saber mais sobre a obra clique aqui e aqui.

Abaixo, um papel de parede para quem quiser enfeitar o PC:

asterix_13

Link permanente Deixe um comentário

« Previous page · Next page »