Sou Nerd mas tô na moda!

06/05/2009 at 6:05 pm (idéias de Girico, Por aí)

Há! Parafraseando a Tati-quebra-barraco, é que eu digo: Sou nerd mas tô na moda! hahahahaha

Homem-codorna, "quebrando a banca" e Hiro

Homem-codorna, "quebrando a banca" e Hiro

Desde que Bill Gates e companhia ficaram milionários por conta de suas idéias geniais, a sociedade vem sendo mais amigável com os nerds (C.D.F. pra quem não sabe). Ser CDF hoje não só é politicamente correto como causa admiração e até popularidade. Já tem heróis nerds (vide Homem-Codorna e o Hiro do seriado Heroes, um herói-programador de computadores), Filmes de nerds (“Quebrando a Banca“, ou “21” no original em inglês) e, finalmente, os nerds estão na moda! Quem imaginaria o Justin Timberlake vestido assim:

Justin Timberlake e Jessica Biel

Justin Timberlake e Jessica Biel

Essa foto é do baile “Costume Institute Gala” do Metropolitan Museum of Art de Nova Yorque, o evento de gala mais aguardado pelas celebridades. Te mete!!!!!!

O site Descolex fez até um editorial de moda intitulado “The Nerd Side of the Moon”. Saca só:

editorial-descolex-nerds4

Curiosidade do dia

O Partido Pirata Sueco já é o terceiro maior do país em número de adesões. Consta que sua luta é pela liberdade de compartilhar livremente arquivos via internet (são piratas internautas), ou seja, baixar filmes, músicas, etc. E seu objetivo é eleger um deputado que representará seus interesses. Há!!! Pelo vissto vão conseguir, né? Eles já inspiraram os partidos Espanhol, Americano, Alemão, Belga e Francês, para que ninguém pense que só os suecos são loucos.

pirats_partido4
Notícia retirada do site Nerds Somos Nozes.

Ouvindo: Alphabeat – Rubberboots

Anúncios

Link permanente Deixe um comentário

Especial Gastronomia Brasileira I

04/05/2009 at 4:34 pm (Gastronomia, listas, Por aí)

Após um breve hiato… Ói nóis aqui travez!!!

Como são 11:00h da manhã e está vindo um cheirinho delicioso de feijão temperadim do restaurante aqui ao lado, resolvi falar de comida. Nas minhas andanças por esse Brasil, uma das mais felizes descobertas foi perceber que além dos lugares lindos e dos costumes tão peculiares, a culinária é riquíssima e deliciosa! Não existe estado que não tenha a sua receitinha especial, feita com ingredientes locais.  Vale dixar todos os preconceitos de lado e se jogar, ainda que você torça o naiz para quiabo, milho, feijão. Afinal de contas, o jeito de preparar pode valorizar tanto a comida que vai acabar te agradando. Então, pé na estrada e garfo na mão!!!!

Maranhão

Aqui você já encontra as coisinhas típicas da região amazônica. É um excelente lugar para provar a farinha de mandioca amarela (se vc tiver dentes de aço!), açaí, cupuaçu, etc, etc, etc. Foi lá que eu provei o famoso guaraná da amazônia, uma bebida que leva leite, amendoim, ovo de pata, guaraná e outros ingredientes, e que tem O Poder! Levanta até defunto! Mas a melhor coisa que eu comi foi o Arroz de Cuxá. É feito com vinagreira, uma verdura azedinha que tem por aquelas bandas. Aqui no sul não tenho esperanças de achar isso pra vender, mas em todo caso, aqui vai a receitinha:

Arroz de cuxá

Arroz de cuxá

Ingredientes:
Vinagreira (erva verde meio amarga)
1 tomate picado
1 cebola picada
1 pimentão picado
pimenta de cheiro a gosto
gergelim a gosto
150g de camarão seco
1/2 Kg de arroz cozido
azeite

1.Coloque a vinagreira pra cozinhar até murchar, retire do fogo e escorra, dê umas batidas nela com a outra face da faca..

2. Refogue todos os temperos em azeite, coloque o camarão seco, um pouco do gergelim e a vinagreira, mexendo sempre para incorporar ao refogado.

3. Depois vá acrescentando o arroz já cozido, não esquecendo de que tem que ficar bem verdinho, por conta da vinagreira. Por fim e só degustar esse típico arroz maranhense.

Pernambuco

A culinária pernambucana é um caso à parte. Provavelmente é diferente de tudo o que vc já viu (a menos que vc seja pernambucano, claro). As frutas da região rendem ótimos sucos e sorvetes, entre elas a acerola, pitanga, cajá, umbu, siriguela (agora sem o trema!), caju, maracujá, etc. São muitos os pratos à base de feijão de corda, milho, leite de coco e frutos do mar. O meu escolhido para este especial é o caldinho de sururu, que é um fruto do mar parecido com a ostra e o vôngole. Recife é a cidade dos caldinhos, que vêm em cumbuquinhas e são tomados com cachaça. Abaixo você confere essa receita dos deuses:

Caldinho de sururu

Caldinho de sururu

Ingredientes:

2 cebolas picadas
1 colher (sopa) de óleo de canola
1/2 xícara (chá) de cachaça
1 folha de louro
2 cravos-da-índia
3 folhas de salsinha
2 folhas de coentro
3 dentes de alho picados
3 xícaras (chá) de água
300 g de sururu
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 talo de salsão pequeno picado
2 tomates pelados e picados
1 pimenta-malagueta picada
2 colheres (sopa) de salsinha picada
1 colher (sopa) de coentro picado
200 ml /1 vidro de leite de coco
1 colher (chá) de azeite de dendê
sal a gosto

1. Separe e pique todos os ingredientes pedidos na receita.
2. Numa frigideira grande, leve o óleo de canola ao fogo baixo para aquecer. Quando estiver quente, junte 1 cebola picada e refogue, mexendo sempre, por 3 minutos ou até a cebola ficar transparente.
3. Junte a cachaça, o cravo, a folha de louro, as folhas de salsinha, as folhas de coentro, 1 dente de alho picado e a água.
4. Quando ferver, acrescente o sururu e deixe cozinhar por mais 5 minutos. Retire o sururu do líquido com uma escumadeira. Reserve.
5. Em fogo baixo, deixe o caldo reduzir por 20 minutos. Retire do fogo e reserve.
6. Com uma faca, faça um corte em X na base de cada tomate. Coloque os tomates numa panela com água fervendo por alguns segundos. Prepare outra tigela com água e gelo. Retire os tomates da panela e mergulhe-os na tigela. Pelo X, puxe a pele como se fossem quatro folhas. O choque térmico faz com que a pele se desprenda facilmente.
7. Corte os tomates ao meio, horizontalmente. Com o dedo indicador, retire as sementes e o suco que as envolve. Não enxágüe os tomates, pois a água leva parte do sabor embora. Pique-os em cubinhos. Reserve.
8. Numa frigideira grande, leve o azeite de oliva ao fogo baixo para aquecer. Quando estiver quente, junte o restante da cebola picada e refogue por 3 minutos, mexendo sempre. Acrescente o alho restante e refogue por mais 1 minuto.
9. Junte o salsão, o tomate picado, a pimenta malagueta e refogue por 10 minutos em fogo baixo, mexendo sempre.
10. Acrescente o caldo do cozimento do sururu ao refogado de tomates. Misture bem.
11. Junte a carne de sururu, a salsinha picada, o coentro picado, o leite de coco e o azeite de dendê ao caldo e misture.
12. Deixe aquecer, ajuste os temperos e sirva a seguir.

Receita retirada do site Panelinha.

Goiás

Gente, sem brincadeira: eu devo ter engordado uns três quilos na semana que passei em goiânia. Pra quem gosta de confort food, não existe lugar melhor. Tudo tem cara de caseiro, de fogão à lenha, de comida da vovó. As frutas do cerrado são deliciosas e perfeitas para os sorvetes. Tem buriti, caju-do-campo, cagaita, baru, jatobá, mangaba, gabiroba e o famoso pequi. Os pratos são uma delícia, espia só: Arrroz com pequi, quariroba, empadão, pamonha, galinhada, etc. Tudo isso pode ser provado nas imensas feiras de goiânia e até nos restaurantes mais simples da região. A pamonha goiana é uma loucura, e pode ter vários recheios diferentes, tanto doces quanto salgados. Para que se aventurar, vai aí a receita:

Pamonha goiana de queijo

Pamonha goiana de queijo

Ingredientes:

6 espigas de milho de tamanho médio
palha do milho para enrolar e amarrar as extremidades
1/2 litro de óleo quente
1/2 xícara de pimenta verde amassada
1 xícara de cebolinha verde
1 colher de sal
1 queijo tipo frescal

1. Depois de ralar o milho, passe a massa em uma peneira. Ela fica mais fina.
2. Escalde a massa com óleo quente, a massa não pode ficar gordurosa.
4. Acrescente a pimenta e a cebolinha verde e misture.
5. Adicione o sal.
6. Depois de colocar a massa nos copinhos formados com a palha (dobre formando um envelope) é hora de pôr o recheio.
7. O queijo é cortado em pedaços pequenos, pra não vazar.
8. Feche e amarre as pamonhas como se fossem trouxinhas e leve-as ao fogo, na água já fervente.
9. Cozinhe por 40 minutos, em fogo alto.

Ps–> o queijo pode ser substituído por linguiça (ai que horror essa falta de trema…), frango, palmito, etc, etc, etc.

Espírito Santo

Se tem um lugar bom pra comer peixe, esse é o litoral do Espírito Santo. Nos quiosques das praias tem peixe de tudo que é jeito, recheado, ensopado, frito, enfim. Além do peixe tem caranguejo, pirão, muitas receitas com banana-da-terra e frutas deliciosas para provar, como o cajá-manga e a fruta-do-conde. Uma das delícias típicas desta culinária é a moqueca capixaba. A receita abaixo foi retirada do site Tudo Gostoso:

moqueca capixaba

moqueca capixaba

Ingredientes:
1 kg de peixe (badejo, dentão, robalo, papaterra, dourado, namorado ou xerne)
1 maço de coentro
1 maço de cebolinha verde
1 cebola média
3 dentes de alho
4 tomates
Pimenta malagueta
Azeite de oliva
Urucum
Óleo de soja

1. Escame bem o peixe, tire as vísceras e corte-o em postas de 5 cm de largura
2. Lave bem com limão e deixe descansando em um prato com água de sal fraca
3. Soque o alho, três rodelas de cebola, um maço de coentro picado, um maço de cebolinha verde e sal
4. Esfregue no fundo da panela de barro um pouco de óleo de soja (duas colheres) e azeite de oliva (uma colher)
5. Adicione à panela a massa obtida no socador, passando-a no seu fundo
6. Retire as postas de peixe do prato com água e sal
7. Vire as postas de um lado para o outro nos temperos da panela
8. Arrume-as de modo que não fiquem umas por cima das outras
9. Corte o resto do coentro, da cebolinha verde, do tomate e da cebola e coloque nesta ordem por cima das postas de peixe que estão na panela
10. Regue com um pouco de azeite e suco de limão
11. Deixe tudo descansando por 20 a 60 minutos
12. Derreta em um pouco de óleo três colheres de urucum
13. Na hora de levar ao fogo para cozinhar, despeje um pouco deste caldo por cima da moqueca
14. Quando começar a abrir fervura, verifique o sal
15. Não ponha água, não vire as postas e cozinhe com a panela aberta
16. Vá verificando o paladar do sal e do limão
17. Deixe no fogo forte por 20 a 25 minutos
18. Balance de vez em quando a panela com o auxílio de um pedaço de pano grosso, para que as postas de peixe não agarrem no fundo

Vai bem com arroz branco, um belo pirão (feito com farinha e a carne da abeça do peixe usado na moqueca bem cozida com cebola e tomate) e um belo molho de pimenta.

Gostou? Então espere que em breve vem a Parte II!

Kissu!

Ouvindo: Dimitri from Paris – Sacre Français

Link permanente 3 Comentários

Me enganaram! O Uruguai não é beige!!!!

10/03/2009 at 7:20 pm (Por aí)

Ontem fui para Santana do Livramento para um evento da Marcha Internacional das Mulheres. Atravessando a rua você chega em Rivera, no Uruguai, onde tem um moooooonte de free-shops. Mas o Uruguai não é beige! Vou processar o fabricante de mapas! kkkkkkkkkkk

Eu e a Dani na saída

Eu e a Dani na saídaDivisa

Houve lá o primeiro 08  de março do Mercosul, que reuniu mulheres do Brasil, Uruguai, Argentina, Paraguai e… acho que só. O lugar foi escolhido para dar visibilidade aos problemas enfrentados pelas mulheres que sofrem violência nas áreas de fronteira. Nesses lugares os agressores fogem para o país vizinho o que dificulta e às vezes até impede sua punição. “Queremos denunciar o tema da violência, da impunidade e a falta de uma política pública que combata e enfrente essa questão nas áreas de fonteira”, diz Claudia Prates da marcha mundial das mulheres do Rio Grande do Sul. Além da questão da violência, o ato binacional discutiu em assembléias a defesa de igualdade salarial, a luta por soberania alimentar, os conflitos agrários e os danos do plantio de eucalipto na região e os efeitos da crise financeira na vida das mulheres. Aconteceram também oficinas, feiras de economia solidária,campanhas de informação sobre hábitos saudáveis e prevenção de doenças, além do lançamento da Frente Nacional contra a criminalização das mulheres e pela legalização do aborto e um grande ato político no dia 8.
A minha opinião a respeito do aborto é bem pessoal, mas acho que a mulher deve ter o direito de decidir sobre seu corpo e não deve ser encriminada caso escolha esta opção. Negar atendimento médico a uma mulher neste caso pode significar o mesmo que condená-la à morte e eu realmente não sou a favor da pena de morte.
dsc02816
dsc02861
Turma de Pelotas

Turma de Pelotas

dsc02898
Mas então, movimentos à parte, tava eu doida lá em Rivera (é o nome da cidade do outro lado da fronteira) vendo as vitrines com roupas, perfumes e gadgets eletrônicos importados por preços baixíssimos, e eu lá sem um tostão pra gastar!
Tá bom, comprei um perfume L’Eau par Kenzo, vodca Absolut e um Chiva’s pequeninim pra dar de presente. Tá bão, uai!
Pick-nick com água que passarim não bebe

Pick-nick com água que passarim não bebe

 Até amanhã, que o assunto não acabou!

Ouvindo: Angra – Heroes of the Sand

Link permanente 1 Comentário